Buscar: Em:
Suzuki GSX-R 750 2014 - Na medida certa
 

  
Johanes Duarte  
15/10/2013


O primeiro modelo apareceu em 1985, com motor refrigerado a ar e óleo, com a fábrica desejando disponibilizar uma versão das motocicletas de competição de endurance para as ruas. Assim nasceu a GSX-R 750, uma das primeiras motocicletas a trazer este visual das pistas para as ruas.


Vinte e oito anos depois, chegamos na última versão desta supermáquina, e os nipônicos continuam a disponibilizar um modelo com a cara das motocicletas preparadas para as pistas, e entre as 600cc e 1000cc.


Muitos querem acelerar uma superesportiva, mas ficam de cabelos em pé quando ouvem o ronco de uma 1000 e podem achar que falta potência numa 600. Então, a 750 da Suzuki é uma opção interessante, apesar de algumas fábricas oferecem opções diferenciadas, como a Triumph Daytona 675. Mas a GSX-R 750 tem algo mais a oferecer? Vamos analisar juntos o seu comportamento e descobrir se ela atende a sua necessidade.


 


Visualizando a máquina


Nota-se neste modelo que a fábrica buscou combinar o desempenho de um motor de respostas rápidas e entrega de potência progressiva com a agilidade de uma motocicleta compacta e leve, mas com algo a mais de uma 600cc. Diante desta obra-prima da tecnologia moderna, nos deparamos com uma motocicleta com um visual de tirar o fôlego, agressivo e harmonioso, com linhas bem elaboradas e todo o conjunto combinando. Num olhar mais detalhado, o chassi é fabricado em uma dupla longarina de alumínio fundido, com apenas cinco partes, proporcionando resistência e leveza. A balança também é fabricada em liga de alumínio fundido. Sob a estrutura rígida do chassi encontra-se o motor de 750cc, com quatro cilindros, 16 válvulas, DOHC (duplo comando de válvulas no cabeçote), refrigeração líquida e transmissão com seis marchas. Os seus quatro pistões são fabricados em alumínio forjado e as válvulas do cabeçote em titânio são muito resistentes. O sistema de injeção é chamado de SDTV (Dupla Válvula de Borboleta Suzuki), utilizando dois bicos injetores por cilindro, cada um com oito micro-orifícios, para melhor eficiência do sistema. O sistema eletrônico foi desenvolvido nas competições, e mantém com precisão as variações de temperatura do motor. É possível selecionar o mapa de potência do motor pelo chamado S-DMS (Suzuki-Dual Mode Selector), que oferece três opções: no modo A, os 150 cv são liberados com toda a vontade e gana, ou seja, é bom estar preparado; no modo B, a liberação de potência também é rápida mas de maneira mais progressiva; e no modo C, o piloto tem uma motocicleta rápida, porém mais domada para o uso urbano ou em condições de piso molhado, por exemplo. O conjunto de suspensão tem na dianteira um par de bengalas invertidas Showa, do tipo BPF (Big Piston Front-Forks), bem dimensionada e totalmente regulável, com 41 mm de diâmetro e 120 mm de curso. A traseira recebe um monoamortecedor também Showa, totalmente ajustável e com 125 mm de curso. Para ajudar na dirigibilidade e segurança, esta máquina vem equipada com amortecedor de direção controlado eletronicamente, ajudando nas manobras em baixa velocidade e a manter a estabilidade em alta velocidade. Para frear esta fera, a Suzuki escolheu um duplo disco de 300 mm de diâmetro e pinças Brembo radiais monobloco com quatro pistões na dianteira; na traseira o disco é simples, com 220 mm de diâmetro e pinça com pistão simples. As rodas são de liga de alumínio com três raios, de aro 17 polegadas e equipadas com pneus de 120/70 na dianteira e 190/50 na traseira, ambos sem câmara. O posicionamento está de acordo com o perfil racing, cansativo para ficar parado no trânsito, mas ideal para quem quer realmente acelerar. As pedaleiras são ajustáveis em três posições, ajudando muito na personalização. O peso com todos os líquidos e pronta para andar é de 190 kg; o tanque tem capacidade para 17 litros de combustível. A Suzuki oferece este modelo em duas cores - azul com branco e preta com cinza - e a um preço interessante: R$ 49.900.


 


Momento da verdade


Mas essas novidades deram o resultado desejado? Somente acelerando essa máquina do asfalto para descobrir a resposta, certo? Em nossas avaliações, que foram feitas na estrada e também nas ruas de São Paulo, o ponto forte desta 750cc é a sua potência, mostrando-se pronta para ação em qualquer situação, sobretudo na estrada, com ótimas retomadas a partir qualquer giro, e com uma faixa de rotação extra, se comparado com uma 600cc. A seguir, o piloto responsável por essa tarefa, Guilherme Lima, passa as suas impressões.


 "A motocicleta tem muita baixa e média, respondendo muito rapidamente mesmo com o giro mais baixo – e não perde na alta. O motor é muito completo. A entrega de potência é linear, de forma progressiva, e tem muita elasticidade. Este é um item que chamou muito a atenção, e dá muita satisfação acelerar esta moto. Vale destacar o ronco do motor quando em aceleração constante e em baixa velocidade, quando fica alto e estranho, mas isso se perde quando aumentamos a velocidade. O chassi é bem próximo ao do modelo de 600cc, e aliado ao potente motor, traz uma grande sensação na pilotagem. A maneabilidade é incrível, muito ágil, você se sente à vontade tocando essa superesportiva. O posicionamento é agressivo e a posição fica bem racing com as pedaleiras altas. No entanto, as pedaleiras têm três posições de regulagem, modificando o posicionamento e atendendo uma maior faixa de altura de pilotos. O banco é espaçoso e o piloto se movimenta bem. O comportamento da suspensão é interessante, com o funcionamento perfeito neste teste. Não senti a necessidade de nenhuma mudança. Ela é firme e precisa, trabalhando bem em todos os momentos. Quando o assunto são os freios, a dianteira utiliza o sistema da marca Brembo, considerado um dos mais precisos do mercado mundial. Funcionaram perfeitamente e de forma eficiente: com pouca força a motocicleta para, passando muita segurança para o piloto. Quanto ao visual, apesar de ser agressivo e impactante, acho que poderia ser modernizado, já que as concorrentes deixaram as motos mais compactas." Você percebeu que este modelo impressiona, principalmente pelo poderoso motor, mas totalmente controlável, muito fácil de conduzir e aliado a um design que chama a atenção. Certamente é um modelo que fará todo proprietário feliz. Então, boa compra!


 


Texto e fotos Johanes Duarte


 


Fotos
  
Johanes Duarte  
  
Johanes Duarte  
  
Johanes Duarte  
  
Johanes Duarte  
  
Johanes Duarte  

Deixe seu comentário sobre a notícia

Seu nome/apelido:
Seu comentário:
Digite o que você vê na imagem abaixo: *
   

 
Revista Dirt Action
Revista Bike Action